quinta-feira, 21 de junho de 2007

Episódios de terreno

Nesta linha de pensamento, vou igualmente referenciar Armando, tem 60 anos e é taxista, é o homem de serviço para as deslocações de Adriana e muitas outras travestis. Conheci-o no dia 26 de Outubro de 2006, ele chegou pelas 22 horas, sentou-se e começou a falar, duma casa que tem na M..., onde tem umas “bichas” a ganhar dinheiro. Sujeito baixo, anafado e careca. Primeiramente fala apenas com Adriana, passados uns 10 minutos dirige-se a mim puxando conversa:

Armando - Sabe eu sou médico, mas gosto disto de ser taxista - acenei com a cabeça, afirmativamente – sabe eu quando fui para o Brasil, tinha comprado o hotel da B...... por meio milhão de contos, só que passei uma procuração a uma mulher e ela ficou-me com tudo o que tinha – novamente aceno a cabeça – quando regressei do Brasil, não tinha nada, um mês depois de regressar arranjei trabalho numa imobiliária e passado um mês tinha ganho 35.000 contos.
Eu – Pois…tem que ser.
Armando – Bem, vou embora, já estou para aqui a falar há muito tempo (Diário de campo:6).

Um sujeito bastante cómico, viria a verificar mais tarde que uma boa pessoa. Parece ser um pouco terra à terra, mas é extremamente educado e por diversas vezes se tornou o meu motorista na cidade do P..... Nessas voltas pela cidade, contou-me histórias hilariantes:

Armando - Sabe, Sr.º L..., eu ando sempre com um canivete no assento do carro. Uma vez ouvi pelo rádio táxis que havia um fulano que andava a assaltar taxistas, ouvi a sua descrição fisionómica e tudo. Não é que mais tarde o apanho?? Eu sabia o que ele queria, mas fiz de conta que estava tudo bem…quando cheguei ao local de destino…ele pede-me todo o dinheiro. Fiz de conta que ia tirar o dinheiro do bolso, do lado onde guardo o chino e quando trago de lá a mão espeto-lhe o chino no peito - Eu ria por dentro com aquela história, era uma cena digna de um filme de Hollywood – ele abre a porta do carro…dá três passos e cai.
Eu - Então…e foi-se embora e deixou-o lá?
Armando - Claro.
Eu - Nunca mais ouviu falar nele?
Armando - Não.
(Diário de campo:33-33).

Armando tem efectivamente alguma tendência para o exagero, no entanto possui na realidade uma casa, primeiramente situada na M..., posteriormente perto das A...., onde tem três ou quatro travestis e às vezes mulheres.

1 comentário:

Milla Loureiro disse...

+)

obrigado,volte sempre para tomar um café comigo!!!