sexta-feira, 6 de julho de 2007

Sobre Álvaro de Campos - autor desconhecido

Um poema é a projeção de uma ideia em palavras através da emoção. A emoção não é a base da poesia: é tão-somente o meio de que a ideia se serve para se reduzir a palavras.
Não vejo, entre a poesia e a prosa, a diferença fundamental, peculiar da própria disposição da mente, que Campos estabelece. Desde que se usa de palavras, usa-se de um instrumento ao mesmo tempo emotivo e intelectual.
A palavra contém uma ideia e uma emoção. Por isso não há prosa, nem a mais rigidamente científica, que não ressume qualquer suco emotivo.
Por isso não há exclamação, nem a mais abstratamente emotiva, que não implique, ao menos, o esboço de uma ideia.
Poderá alegar-se, por exemplo, que a exclamação pura - "Ah ", digamos — não contém elemento algum intelectual. Mas não existe um "ah ", assim escrito isoladamente, sem relação com qualquer coisa de anterior. Ou consideramos o "ah " como falado e no tom da voz vai o sentimento que o anima, e portanto a idéia ligada à definição desse sentimento; ou o "ah " responde a qualquer frase, ou por ela se forma, e manifesta uma idéia que essa frase provocou.
Em tudo que se diz — poesia ou prosa — há ideia e emoção. A poesia difere da prosa apenas em que escolhe um novo meio exterior, além da palavra, para projetar a idéia em palavras através da emoção. Esse meio é o ritmo, a rima, a estrofe; ou todas, ou duas, ou uma só. Porém meno que uma só não creio que possa ser.
A ideia, ao servir-se da emoção para se exprimir em palavras, contorna e define essa emoção, e o ritmo, ou a rima, ou a estrofe, são a projeção desse contorno, a afirmação da ideia através de uma emoção, que, se a ideia a não contornasse, se extravasaria e perderia a própria capacidade de expressão.
É o que, em meu entender, sucede nos poemas de Campos. São um extravasar de emoção. A ideia serve a emoção, não a domina. E o homem — poeta ou não poeta — em quem a emoção domina a inteligência recua a feição do seu ser a estádios anteriores da evolução, em que as faculdades de inibição dormiam ainda no embrião da mente. Não pode ser que arte, que é um produto da cultura, ou seja do desenvolvimento supremo da consciência que o homem tem de si mesmo, seja tanto mais superior, quanto maior for a sua semelhança com as manifestações mentais que distinguem os estados inferiores da evolução cerebral.
A poesia é superior à prosa porque exprime, não um grau superior de emoção, mas, por contra, um grau superior do domínio dela, a subordinação do tumulto em que a emoção naturalmente se exprimiria (como verdadeiramente diz Campos) ao ritmo, à rima, à estrofe.
Como o estado mental, em que a poesia se forma, é, deveras, mais emotivo que aquele em que naturalmente se forma a prosa, há mister que ao estado poético se aplique uma disciplina mais dura que aquela [que] se emprega no estado prosaico da mente. E esses artifícios — o ritmo, a rima, a estrofe — são instrumentos de tal disciplina.
No sentido em que Campos diz que são artifícios o ritmo, a rima e a estrofe, se pode dizer que são artifícios: a vontade que corrige defeitos, a ordem que policia sociedades, a civilização que reduz os egoísmos à forma sociável.
Na prosa mais propriamente prosa — a prosa científica ou filosófica —, a que exprime diretamente ideias e só ideias, não há mister de grande disciplina, pois na própria circunstância de ser só de ideias vai disciplina bastante. Na prosa mais largamente emotiva, como a que distingue a oratória, ou tem feição descritiva, há que atender mais ao ritmo, à disposição, à organização das ideias, pois essas são ali em menor número, nem formam o fundamento da matéria. Na prosa amplamente emotiva — aquela cujos sentimentos poderiam com igual facilidade ser expostos em poesia — há que atender mais que nunca à disposição da matéria, e ao ritmo que acompanhe a exposição. Esse ritmo não é definido, como o é no verso, porque a prosa não é verso. O que verdadeiramente Campos faz, quando escreve em verso, é escrever prosa ritmada com pausas maiores marcadas em certos pontos, para fins rítmicos, e esses pontos de pausa maior, determina-os ele pelos fins dos versos. Campos é um grande prosador, um prosador com uma grande ciência do ritmo; mas o ritmo de que tem ciência, é o ritmo da prosa, e a prosa de que se serve é aquela em que se introduziu, além dos vulgares sinais de pontuação, uma pausa maior e especial, que Campos, como os seus pares anteriores e semelhantes, determinou representar graficamente pela linha quebrada no fim, pela linha disposta como o que se chama um verso. Se Campos, em vez de fazer tal, inventasse um sinal novo de pontuação — digamos o traço vertical ( ) — para determinar esta ordem de pausa, ficando nós sabendo que ali se pausava com o mesmo gênero de pausa com que se pausa no fim de um verso, não faria obra diferente, nem estabeleceria a confusão que estabeleceu.
A disciplina é natural ou artificial, espontânea ou reflectida. O que distingue a arte clássica, propriamente dita, a dos gregos e até dos romanos, da arte pseudoclássica, como a dos franceses em seus séculos de fixação, é que a disciplina de uma está nas mesmas emoções, com uma harmonia natural da alma, que naturalmente repele o excessivo, ainda ao senti-lo; e a disciplina da outra está em uma deliberação da mente de não se deixar sentir para cima de certo nível. A arte pseudoclássica é fria porque é uma regra; a clássica tem emoção porque é uma harmonia.
Quase se conclui do que diz Campos, de que o poeta vulgar sente espontaneamente com a largueza que naturalmente projetaria em versos como os que ele escreve; e depois, refletindo, sujeita essa emoção a cortes e retoques e outras mutilações ou alterações, em obediência a uma regra exterior. Nenhum homem foi alguma vez poeta assim. A disciplina do ritmo é aprendida até fícar sendo uma parte da alma: o verso que a emoção produz nasce já subordinado a essa disciplina. Uma emoção naturalmente harmônica é uma emoção naturalmente ordenada; uma emoção naturalmente ordenada é uma emoção naturalmente traduzida num ritmo ordenado, pois a emoção dá o ritmo e a ordem que há nela, a ordem que no ritmo há.
Na palavra, a inteligência dá a frase, a emoção o ritmo. Quando o pensamento do poeta é alto, isto é, formado de uma ideia que produz uma emoção, esse pensamento, já de si harmônico pela junção equilibrada de ideia e emoção, e pela nobreza de ambas, transmite esse equilíbrio de emoção e de sentimento à frase e ao ritmo, e assim, como disse, a frase, súdita do pensamento que a define, busca-o, e o ritmo, escravo da emoção que esse pensamento agregou a si, o serve.

4 comentários:

ella disse...

o que que é muito pelo contrario?

Henrik disse...

Caro Lugosi, não posso concordar com a exposição apresentada por este autor. É redutora, passo a explicar porque o considero tal: Não há de facto uma disposição fundamenta, peculiar da mente, entre poesia e prosa? não, também não me parece, contudo isso também se aplica à ciência. Na verdade tudo se resume a uma métrica, a utilização dessa métrica não tem só que ver com a exposição de sentimentos, mas com uma propensão ainda mais básica - basilar - a necessidade de ordenar um caos. Concordo que não há exclamação, em contexto, que não seja um esboço de uma ideia, porém é possível e bastante esboçar exclamações que somente exponham exclamações, isto é que se deixem articular somente pelo significado da própria exclamação. No entanto, embora tenha havido bastantes tentativas em contrário, uma exclamação expressa sempre algo. Porém, aqui começa a confusão, não é a ideia que que se serve da emoção, é a emoção que se serve da ideia. Não é um trocar de enunciados. Todo o pensamento - humano, isto é, conhecido - se expressa numa linguagem, essa linguagem não se serve da emoção, mas pelo facto de sentirmos somos compelidos a articular emoções. A necessidade básica da linguagem é comunicar e não emocionar, ao escrevermos uma poesia utilizamos a emoção para «comunicar» uma emoção, ou várias, ou nenhuma - que ainda assim o é. «A ideia serve a emoção, não a domina», diz o autor infra, e contudo supra afirma que «a ideia se serve da emoção» entendem onde quero chegar? há uma confusão aqui, não intencional, um lapso interpretativo. As palavras são de facto um extravasar emotivo ou sensitivo, até aí tudo bem está correctíssimo. Depois há uma outra estranheza: «a arte é um produto da cultura»? mas que se quer significar com isto? era preciso saber o que o autor quer dizer com esta afirmaçãp por isso não afianço nenhuma interpretação, para já, a essa abstracção da linguagem. a poesia - que é a minha área predilecta, diga-se - não é superior à prosa - não é na verdade correcto que se afirme tal com absoluta certeza - por expressar um grau superior de expressão da emoção, aqui, mais um lapso, a prosa nesse sentido até expressa um maior domínio de expressão da linguagem, o que acontece é que na poesia, a linguagem, tenta reduzir à compreensão uma emoção e aí revela-se mais facilmente ao leitor. Mas é só nesse sentido que se pode afirmar que há uma expressão de emoção - não necessariamente maior, aliás não é de grandeza que se trata - a filosofia e a ciência não expressam só ideias e isso é que é irónico verificar no autor deste texto. Se nenhuma exclamação é passível de ser dissociada de uma emoção, como afirma acima, que lhe garante que uma peça de prosa que expresse argumentos está ausente de emoção? acontece que, mesmo nos cientistas mais rigorosos, e na filosofia que é a minha área profissional, a emoção não está afastada dos argumentos, em cada argumento assertório ou apodíctico de um cientista, ou filósofo, verão as emoções que lhe toldaram as conclusões. Apenas estão dissimuladas. Acontece que na poesia, emoção e inteligência não estão separadas como pensa o autor, pelo contrário uma é expressão da outra, equilibram-se, quem a escreve sabe-o, ainda que apenas no fundo de sua consciência. A confusão que se atribui a Campos é nossa não dele, e o texto do autor assenta que nem uma luva nessa constatação. Por fim mais uma abstracção pouco inteligível «quando o pensamento do poeta é alto, isto é formado de uma ideia que produz uma emoção...é que se produz...o equilíbrio, etc.». Nada pode ser mais confuso. O lapso que referi está expresso aqui, pois se se reparar nos pressupostos vê-se que a linha inicial da exposição não é a mesma da final, e até se contradizem. Tudo o resto está bastante bem elaborado e justo. Nota final: não critico o autor por estar errado - pode não estar- mas por conter demasiadas afirmações e interpretações abstrusas.

bela lugosi`s dead disse...

"essa linguagem não se serve da emoção, mas pelo facto de sentirmos somos compelidos a articular emoções." Concordo Henrik, mas é uma verdade que os signos linguísticos estão repletos de emoções, aliás o ser humano é essencialmente emoção, mesmo quando a disfarça de razão. A necessidade de comunicar advém da predisposição para a troca e com a troca de bens de vária ordem, viajam sempre emoções. Gosto especialmente de Álvaro de Campos.

sapiens disse...

Gosto e sempre gostei de poesia, no entanto tomo-a como uma espécie de relação muito particular entre a emoção e a razão, ou seja, a poesia parece ser um dos veículos racionais possiveis para a transmissão de emoções de individuo para individuo. obviamente que estas não têm de ser concordantes e que a emoção sentida pelo autor conheça uma complecta concordancia na interpretação do receptor, no entanto acaba por ser também esta uma das capacidades mais interessantes da poesia: a sua constante auto-recriação.