sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Abordagem EMIC / Abordagem ETIC - duas formas de fazer antropologia


Emic e Etic, termos sugeridos pelo linguista Kennet Pike em 1954, procuram establecer uma distinção entre as abordagens que a antropologia pode adoptar aquando da análise de um mesmo objecto. Esta Distinção poderá ser feita de acordo com a seguinte tabela sugerida por Carlos Reynoso em "Correntes em antropologia Contemporânea".


Comparativistas--------------------------Particularistas
Ideal das ciencias naturais------------Ideal das humanidades
Busca da explicação--------------------Busca da compreensão
Sintese comparativa -------------------Análise do particular
Busca de leis gerais ---------------------Registo de casos unicos
Tendencia para o materialismo -------Tendencia para o idealismo
Abundante reflexão metodológica -----Atitude anti-teórica
Etnologia-----------------------------------------Etnografia
Procura traços comparáveis------------Procura a cultura em sí mesma
Desenvolvimento quantitativo ------------Exaltação do qualitativo
Enfase nas corelações impessoais-------Recuperação do individualismo metodológico
Formalismo -----------------------------------Substantivismo


Relativamente ás correntes e abordagens podemos facilmente acrescentar:

ETIC ---------------------------------------------EMIC
Estruturalismo e funcionalismo --------Culturalismo
Tendencia biologizante ------------------Tendencia psicologizante
Da parte para o todo ---------------------Do todo para a parte


Estas diferentes abordagens, perante os mesmos objectos de estudo, têm produzido correntes, conteúdos e resultados cientificos distintos. Enquanto que uma abordagem ETIC está tendencialmente mais ligada á antropologia biológica, á mental binarista bem como a toda aquela que pretende descobrir / formular os grandes postulados do comportamento humano, a abordagem EMIC procura encontrar a especificidade de cada aspecto do individuo e da sua cultura, constituindo em ultima instancia muita da matéria prima utilizada pelos estudiosos que recorrem á abordagem ETIC.

Enquanto que a abordagem ETIC procura medir, comparar e esquematizar lógicamente a realidade sem recurso á subjectividade discursiva dos individuos, a abordagem EMIC procura descobrir as especificidades de cada contexto em particular, recorrendo inclusivamente á interpretação nativa dos factos.

A antropologia apresenta-se assim como uma ciência charneira entre as ciencias exactas e aquelas que até hoje são consideradas não exactas por carecerem da quantificação subjacente á definição do termo.

Desta forma a Antropologia enquanto ciencia terá uma definição ampla assente em multiplas plataformas teóricas e metodológicas onde cada um de nós poderá ir ao encontro quer de particularidades quer de universalidades oscilando entre todas as oposições que a própria dualidade humana implica.

4 comentários:

bela lugosi`s dead disse...

nem mais!

Henrik disse...

Não é o objecto de estudo da Antropologia vasto? E como podemos nós ser isentos se fazemos parte de um dos grupos, seremos totalmente isentos? daí não acreditar poder-se falar em homogenia em Antropologia, a unidade, a haver, terá que ser no conjunto de múltiplas perspectivas e na constatação das oposições. Mas ainda assim o objecto de estudo é demasiado fugidio porque nos é precisamente demasiado comum. Acredito profundamente na validade da antropologia enquanto ciência humana, pois é evidente que alarga a nossa compreensão do ser humano. Mas tenho largas dúvidas acerca de qualquer metodologia, ainda assim, neste caso, mais vale uma má metodologia que metodologia nenhuma.
Mais um belo texto!

Henrik disse...

Amigo Lugosi ou cara Sapiens..há algum estudo antropológico sobre a necessidade ou o uso da força (vulgo crueldade, ou animalidade, mas que no entanto não me satisfazem enquanto definições) que conheçam? Novamente, ao cabo de valentes anos em filosofia preciso de indicações que não se atenham em moral. Estudos de psicologia tenho bastantes, no entanto, de âmbito antropológico nenhum. Caso queiram ver a gota que despoletou (afundou que isto há anos que acumula) vejam o meu blog. Honestamente, há que não fechar os olhos!

Henrik disse...

Tens uma resposta (julgo que bem ponderada) ao teu excelente comentário no meu blog. Concordo contigo, agora lê só as minhas renitências:)
Um abração e boa sorte com a preparação do doutoramento:)